O rabo do dragão

kalameet__dark_souls_by_eeriestir-d8w4a97

Jogar Dark Souls, pros pouco habilidosos como eu, é como tentar derrubar uma parede de concreto jogando tênis contra ela: no início parece impossível, mas uma hora ela vai ceder – e quando esse momento chega, tem o sabor da primeira fungada que um fugitivo dá no ar livre depois de meses escavando um túnel com uma colher. Paciência versus dificuldade.

Não seria exagero dizer que sou apaixonado por esse jogo. E não sou o maior gamer de todos os tempos, inclusive. Raramente vou até o final de qualquer coisa que eu jogue – acabo desanimando.

Talvez, justamente por isso, minha afinidade por Dark Souls pareça estranha. O jogo é conhecido como um dos mais difíceis que há. E eu, que não tive saco pra chegar na metade do Diablo 3, vou me interessar justo por ele?

Não me pergunte, aliás, como cheguei ao Dark Souls. Minhas primeiras memórias do jogo já envolvem imagens pesadelísticas de inimigos esfregando minhas entranhas na parede. Depois disso, e de despertar numa bonfire – os “checkpoints” do jogo -, inteiro novamente, surgia um senso de dever (e de vingança? curioso imaginar até que ponto o jogador de Dark Souls é movido pela vingança, pelo puro ódio contra o inimigo que te derrota inúmeras vezes), um senso de dever estranhamente forte, a sensação de “Agora esse demônio de oito cabeças e 50 vezes o meu tamanho e força me paga!”

No que diz respeito à minha própria experiência, sempre vou me lembrar da luta épica contra o dragão Kalameet – uma criatura enorme de escamas negras, extremamente rápida e forte, capaz de expirar um fogo negro que, se me pegava desprevenido, me matava imediatamente. Era um inimigo opcional, mas assim como acontecia com outros dragões ao longo do jogo, se um jogador conseguisse remover sua cauda, poderia usá-la como arma, uma arma poderosíssima, da qual eu precisava desesperadamente – porque era minha primeira vez jogando Dark Souls, e o meu personagem era dolorosamente mal feito.

Quantas vezes aquele dragão limpou o chão comigo! Parei de contar na vigésima. Eu poderia matá-lo, se quisesse, mas se fizesse isso, não conseguiria a arma de que precisava. Era necessário realizar ataques precisos, de preferência verticais, atingindo o rabo do dragão até cortá-lo. Com o tempo, parei de me importar com meu número de mortes.

A luta contra Kalameet acontecia numa área extensa, uma clareira esverdeada. Água escorria de uma nascente e se acumulava um pouco na superfície terrosa, até encontrar seu caminho pelas ranhuras da montanha. O dragão se movimentava ali com ações tão amplas e rápidas que conseguia parecer gigantesco, mesmo em todo aquele espaço. Depois de enfrentá-lo tantas vezes, eu conhecia todos os seus movimentos de cor. Sabia qual de seus saltos indicava que planaria à média altura, cuspindo fogo negro pra baixo e exigindo uma fuga rápida; percebia sem esforço o movimento serpentino de seu tronco quando se preparava para um ataque rasante; conhecia até a arqueação específica de sua sobrancelha que indicava o início do intervalo para o chá. Como eu conhecia aquele dragão.

Depois de tantas lutas, foi em uma batalha de 35 minutos – e isso não é hipérbole; foram Trinta-E-Cinco-Minutos – que eu, finalmente, consegui. Abracei meu primo, que estava presente naquele momento cuja glória era no mínimo equivalente à dos jogadores da seleção brasileira quando de sua vitória na copa de 94. Juro que, por alguns momentos, ouvi a voz de Galvão gritando “É tetra! É tetra!”, no ar a meu redor. A magia de Dark Souls.

A superação, o senso de dever cumprido, não são uma das coisas que mais se comenta a respeito desse jogo por acaso. Derrotar aquele dragão foi uma das experiências sexuais mais intensas da minha vida. Se houvesse uma garrafa de champanhe nas proximidades, ela teria estourado espontaneamente. Poucas coisas com a simplicidade de um jogo conseguem oferecer essa sensação.

crescimento

Quando você joga Dark Souls pela primeira vez, é bem possível que venha de jogos como Diablo, Final Fantasy, Dragon Age, Skyrim, ou outros RPGs. Mas ainda que venha de FPSs, Puzzles, Simuladores de Cabra ou seja lá o que for, deve estar acostumado a jogos que, até certo ponto, te puxam pela mão.

Batman Arkhan Asylum, por exemplo, é um jogo fenomenal, mas não se pode dizer que é lá muito difícil. Estamos, afinal, num mundo em que os jogos permitem que você mude para o “easy” a qualquer momento. Por isso, entrar em Dark Souls e ser esbofeteado até a morte pelo primeiro inimigo pífio que aparece à sua frente pode ser uma experiência desanimante.

Descobrir, pouco depois, que os inimigos não atacam um por vez – regra elementar de filmes, jogos, e por que não, da etiqueta em geral -, mas se amontoam em você como estadunidenses na black friday, acrescenta a esse sentimento a noção de que esse jogo exige estratégia, uma abordagem mais cuidadosa dos inimigos.

Mas aos poucos você percebe que, em alguns trechos, inimigos que pareciam poderosíssimos, difíceis de enfrentar, estão repentinamente mais fáceis, sem que você tenha evoluído sequer um nível. Você coçaria a cabeça, se uma distração dessas não levasse a uma morte rápida. Aos poucos, percebe: não é seu personagem que está evoluindo. É você.

Um ótimo exemplo são os cavaleiros negros. Eles (ou seriam elas? nunca aparecem sem elmos) tem cerca de dois metros de altura, e o corpo coberto por uma armadura belíssima, altamente estilizada, e negra. Suas armas variam – lanças, espadas, alabardas – mas são sempre poderosas, e manipuladas com uma das mãos, enquanto a outra segura um escudo eficiente. O primeiro cavaleiro negro que você encontra parece guardar um corpo num dos andares mais baixos de uma vila decadente. Se te ouve chegar, ataca de imediato. A essa altura do jogo ele é capaz de matá-lo com dois golpes, enquanto você levaria dezenas pra fazer o mesmo. Derrotá-lo parece impossível.  Mesmo depois de evoluir bastante seu personagem, encontrar um cavaleiro negro no caminho é sinônimo de grandes dificuldades e hematomas. Ao menos até que você conheça, e eventualmente supere, a cidade de Anor Londo.

Anor Londo é um dos lugares mais belos de Dark Souls, e sua descoberta, o momento mais impactante. Assim que você derrota o gigante de ferro ao fim de Sen’s Fortress, a fortaleza que guarda a entrada da cidade, três gárgulas brancas aparecem, e te elevam acima das altíssimas muralhas que separam Anor Londo do mundo decrépito que a cerca.

A cidade é linda, talvez o único lugar verdadeiramente iluminado no jogo, repleta de construções amplas cuja arquitetura parece ter sido inspirada em igrejas góticas, que abrigam obras de arte como quadros e estátuas, todas representando os deuses e deusas que habitam o mundo de Dark Souls.

Mas acontece que o lugar é tão belo quanto protegido. A partir de determinado ponto do jogo, seus adversários serão apenas cavaleiros prateados – cuja cor da armadura é basicamente sua única diferença em relação os cavaleiros já mencionados. De repente, aquele inimigo incomum, que você enfrentava com grande dificuldade, se torna um adversário como qualquer outro, de que o ambiente está repleto. Você respira fundo e vai. Mesmo que não evolua um nível sequer, pode ter certeza: depois de Anor Londo, os cavaleiros negros já não parecem inimigos tão complicados.

Há pessoas que postam no YouTube vídeos demonstrando proezas em Dark Souls. Há quem tenha concluído o jogo em 30 minutos, sem morrer uma única vez ou sem nunca subir o nível de seu personagem. Um jogador concluiu o jogo usando exclusivamente uma guitarrinha de Guitar Hero como controle. Há boatos de uma mulher que fez todas as proezas acima, enquanto dançava tango vendada sobre uma mesa em chamas, mas esse link não consegui encontrar.

Não acho que esses vídeos sirvam apenas pra demonstrar até que ponto vai a loucura e a obsessão humanas; eles são exemplos extremos de como o Dark Souls estimula o crescimento do jogador, explora a noção de que um jogo não é uma simples brincadeira, mas pode ser criado de modo a desenvolver características e habilidades – e não falo só de habilidades motoras, mas de coisas como persistência, determinação, percepção, análise, entre muitas outras. Você pode argumentar que os autores desses vídeos são pessoas que não souberam, digamos, direcionar esse aprendizado, que o jogo falhou nesse sentido – mas isso não diminui o valor de suas consequências positivas, que certamente permanecem com o jogador bem depois que ele conclui seu vídeo obsessivo e o tratamento psicológico subsequente. O jogo, no mínimo, ensina o jogador a perder, a persistir em face da derrota. Isso já vale muito.

dark souls: um jogo investigativo

anor-londo

Anor Londo

A cidade de Anor Londo (ah!, Anor Londo) não é interessante só de um ponto de vista arquitetônico, ou graças à habilidade elevada que seus habitantes têm de assassinar você. Ela também é geográfica e historicamente atraente – mesmo que o jogo nunca vá te contar nada sobre ela de maneira explícita.

Um exemplo é uma catedral dedicada à deusa Gwynevere. Suas paredes repletas de vitrais colorem o chão branco de um saguão imenso, sustentado por pilastras cujo diâmetro deve ser aproximadamente do comprimento de um fusca, que sobem dezenas de metros até o teto. Num extremo, há uma pintura enorme, e diversos homens cuja profissão é, simplesmente, “guardiões da pintura”. No outro, há uma estátua enorme de uma belíssima mulher de sorriso reconfortante – Gwynevere.

A pintura, em sua enormidade, chama a atenção, e retrata uma ponte que leva a uma montanha coberta de árvores e neve. É provável que você chegue perto dela, e nada aconteça – talvez você nunca descubra que ela é um portal para um mundo inteiro, oculto dentro de Dark Souls; mas para acessá-lo,  é preciso encontrar a chave certa.

Consegui-la, contudo,  é tão complicado, que nem imagino como foi que o primeiro explorador conseguiu entrar na porcaria da pintura. Não vou mergulhar em detalhes aqui, mas basta dizer que envolve saltar de um elevador em movimento e se enroscar em posição fetal no ninho de um corvo gigante. Sério.

O item em questão se chama “Boneca peculiar”. Se você abrir o inventário e olhar as informações sobre o item, verá em sua descrição: “Uma boneca estranha num vestido estranho. Uma vez houve uma abominação que não tinha lugar nesse mundo. Ela apertava essa boneca com força, e eventualmente foi sugada para dentro de um frio e solitário mundo pintado.”

Certo. O jogo espera que você, depois da proeza que é conseguir a boneca, some essa descrição ao conhecimento de que há um quadro gigantesco em Anor Londo, o único vigiado por guardas. Esse quadro, além disso mostra uma ponte. Essas informações, somadas são o que te é fornecido pra que você tente fazer algo, e seja sugado para dentro da pintura ao se aproximar dela de possa da “Boneca peculiar”. Todo o percurso até aqui, portanto, seria o equivalente a esfregar o cerebelo na brita.

E repito: existe um mundo dentro do quadro. Um mundo enorme, complexo, ao fim do qual encontramos Priscilla, que um dia foi dona da boneca, uma criatura híbrida entre dragão e humano, rejeitada por ambos e aprisionada dentro da pintura repleta de monstros e outras criaturas que ela aprendeu a aceitar. Ela aponta a saída e pede que você a deixe sozinha. Você pode enfrentá-la, se quiser, e ela lutará com você. Há quem diga que matá-la é, na verdade, a opção mais caridosa, é retirá-la do mundo de sofrimento, solidão e neve em que ela vive. Eu, pelo menos, não tive esse sangue frio.

É bem possível que, a essa altura, você esteja pensando: “que filhos da puta esses caras da From Software”. De fato, fazer uma área inteira (e interessantíssima) do jogo dentro de um quadro que só vai revelar seu conteúdo a quem conseguir um item oculto e difícil de acessar é meio que sacanagem. Muitos, ainda assim, defendem a From, afirmando que tudo isso foi elaborado de modo a despertar a curiosidade do jogador, e que os criadores do jogo levaram em conta o interesse em procurar informações na internet. A comunidade “Souls”, de fato, dá conta do recado, e é raro o jogador que ignora essas possibilidades. Ou pelo menos não ouvimos falar deles porque não entram na internet.

Afinal, quem disse que a dificuldade de Dark Souls está apenas nas lutas contra adversários capazes de te matar com um simples olhar intenso? Longe disso. A dificuldade também está em se compreender a estória, que a bem da verdade, nunca é realmente contada.

No caso do chamado “Mundo pintado de Ariamis”, há muitas curiosidades e segredos (quem é “Ariamis”, por exemplo). Vários itens e milagres relacionados a Velka, uma deusa banida, estão no mundo da pintura, mas a própria deusa não; a posição das escamas de dragão e a cor da pele de Priscilla parecem indicar que seu pai é Seath, um dragão importante na estória do jogo, mas sua mãe é desconhecida – alguns supõe que seja a deusa Gwynevere, uma vez que a pintura está dentro de sua catedral, enquanto outros supõe que a mãe seja Velka. Na entrada do mundo da pintura, há uma estátua que mostra uma mãe com uma filha no colo; ela claramente não é Gwynevere, mas no jogo todo, não há qualquer imagem de Velka.

Talvez, acima de tudo, seja inevitável perceber a maneira como essa especulação é feita. Os jogadores perceberam que Priscilla é provavelmente filha de Seath pela maneira como as escamas de dragão se distribuem em seu corpo, um corpo humano. Isso é surreal. Eu, que às vezes saio de casa com uma meia azul marinho e a outra preta sem perceber, não consigo me imaginar observando tantos detalhes. A maioria dos dados a respeito de Gwynevere, inclusive, vem de itens que obtemos de pessoas próximas a ela, de suas estátuas e das poucas ocasiões em que uma menção à cidade de Anor Londo e sua história inclui a personagem.

Tudo isso serve pra indicar que o que vemos na superfície de Dark Souls é apenas o rabo do dragão. A estória do jogo é complexa, intrincada, e acima de tudo, oculta. Boa parte dela só pode ser descoberta depois de muita investigação – e não só do tipo intelectual, mas do tipo que exige (ao menos do personagem que usamos) mão na massa, esforço pra se alcançar locais inesperados, insuspeitos, pra interpretar os sinais e analisar os itens descobertos.

Essa é uma maneira muito interessante de se contar uma história.

O jogador não vê um videozinho que explica como tudo aconteceu, nenhum personagem explica. É através de sua interação com o mundo que ele, aos poucos, o conhece, e assim como na vida real, essa interação é incapaz de oferecer todas as respostas. Não fossem vídeos no YouTube, eu nem sequer saberia que o jogo tem dois finais possíveis. Isso pode muito bem ser um defeito de Dark Souls, mas ao mesmo tempo garante que tenha uma coerência única. Até mesmo a experiência de se encontrar um personagem diferente, de descobrir um outro final possível para o jogo, pode ser excitante, interessante, como uma reviravolta inesperada e bem construída num suspense.

Dark Souls, além de tudo, conseguiu provar algo muito importante: a mídia, seja em games, cinema, livros, ou o que for, não precisa tratar seu consumidor como um imbecil. Mesmo sendo extremamente difícil, o jogo vendeu muito bem. A estória, por mais incerta e de interpretação desafiadora, rendeu vários canais no YouTube dedicados a ela – os Bardos de Dark Souls. O canal VaatiVidya, por exemplo, tem mais de 900.000 assinantes, e muitos de seus vídeos batem meio milhão de visualizações. Mesmo pra quem não conhece o jogo, os vídeos e estórias são interessantes, entretém.

Uma obra de arte, em qualquer tipo de mídia, pode deixar questões “pouco claras”, “em aberto”, ou de “difícil interpretação”, desde que o faça bem feito, que dê a seus espectadores a possibilidade de encontrar ou mesmo criar, por meio da interpretação, um de seus vários sentidos possíveis. Essa é uma lição que muita gente – desde produtores de hollywood a escritores de best-sellers – precisa aprender: o público médio pode não ser o Einstein (e quem é?), mas está longe de ser burro – e pode extrair experiências muito mais ricas de uma obra capaz de despertar a reflexão, do que daquelas que o tratam como incapaz.

No Man’s Sky

Olá, terráqueos!

Após uma longa jornada e seguindo a orientação do Atlas, venho pisar o solo desse planetinha azulado para compartilhar com vocês minha experiencia como explorador espacial.

Para quem não pegou a referência, me refiro aqui ao controverso projeto da Hello Games no ano de 2016: No Man’s Sky, um audacioso jogo de exploração espacial em primeira pessoa que tem como peculiaridade uma galáxia formada por incontáveis planetas gerados proceduralmente.

Para quem não conhece, parece incrível não é mesmo? Para quem já conhece, guardem as facas, eu sei, eu sei… Mas antes de falar sobre o drama existencial de No Man’s Sky, deixe-me primeiro explicar um pouco mais sobre ele.

Como tudo começa

A jornada inicia com o jogador acordando em um planeta desconhecido, em meio aos escombros de um acidente com uma nave espacial. Ao que tudo indica, o mesmo era o piloto da nave que por uma razão desconhecida acabou acidentado e preso, sem memória, no meio do nada.

Logo de cara, ao explorar os escombros nos deparamos com o Atlas, uma bola vermelha que parecer ser a representação tangível de uma super entidade alienígena. Ao fazer contato, o ser arredondado nos oferece a chance de tê-lo como guia em uma jornada rumo ao desconhecido. Caso desejado, podemos descartar tal possibilidade e apenas explorar livremente a galáxia.

Certo, de uma forma ou de outra somos convidados a mergulhar na vastidão do universo, só tem um probleminha ai… houve um acidente, lembra? A nave está quebrada e não temos como voar, então, o primeiro objetivo é explorar o planeta a procura de recursos para consertar a nave quebrada, que é a unica barreira entre o jogador e o espaço.

Aventura em terra firme

Durante a exploração terrestre o jogador é convidado a desempenhar diversas atividades, tais como:

Ver belas paisagens

A maioria dos planetas e luas iniciais são desolados, porém, é possível encontrar alguns com vistas surpreendentes.

20160824011304_1

Um belo dia para caminhar

Obter recursos

É possível extrair componentes químicos da fauna, flora e de formações geológicas do planeta. Para isso usa-se a multiferramenta, que funciona tanto como objeto para extração de recursos quanto como arma, o que inclui disparos laser e lança granadas.

Uma das funções dos elementos encontrados é fornecer carga para o equipamento do jogador. Para utilizar a multiferramenta é necessário que ela esteja devidamente carregada com elementos do tipo isótopo, esse mesmo tipo de material também é usado para carregar o sistema de sobrevivência, que funciona como uma espécie de reator para manutenção do traje. Já a proteção antirrisco, que o protegerá das condições climáticas do planeta, deve ser carregado com elementos do tipo óxido.

20170118195219_1

Nem todos os elementos são reais

Ao extrair recursos, existe a chance de o jogador chamar a atenção de sentinelas. Estes são robôs de guarda do planeta que visam manter o equilíbrio natural do mesmo e também zelar pelas instalações existentes nele.

Caso haja conflito, o jogador poderá usar das tecnologias de combate instaladas na multiferramenta para destruir os sentinelas. Ao serem subjugados, eles deixarão barris contendo recursos importantes para a criação de equipamentos, além disso, esses recursos podem ser vendidos por uma boa quantia de Unidades, que é a moeda do jogo.

Construir e melhorar equipamentos

Os componentes encontrados podem também ser usados para reparar ou melhorar os equipamentos que o jogador e a nave possuem. Há, também, a possibilidade de criar novos itens para sí, ou módulos para o veículo.

Realizar descobertas

O jogador inicia com um scanner danificado. Caso venha a repará-lo, é possível usar o dito equipamento para identificar as fontes de recursos existentes ao seu redor. Ao realizar tais descobertas, pode-se fazer o upload delas para receber Unidades.

É possível ainda, através do menu de upload,  renomear as descobertas feitas antes de enviá-las.

Encontrar novas tecnologias e equipamentos

Para construir e melhorar os equipamentos, é preciso encontrar tecnologias perdidas. Estas podem ser obtidas de diversas maneiras: escombros, caixas encontradas em estações que há pelo planeta, ou interagindo com alienígenas que normalmente habitam tais estações.

Em alguns casos podem ser encontradas versões de multiferramentas melhores que a atual, ai é possível troca-las e ficar com a melhor. Nesse caso é preciso avaliar a quantidade de espaços nos inventários das duas e as tecnologias que já estão instaladas nelas, nem sempre vale a pena trocar.

O mesmo serve para as naves. Ao usar um console em determinadas estações pode-se localizar escombros de naves caídas e, caso desejado, é possível repará-las e tomar posse delas. A “regra” de comparação é similar à das multiferramentas, porém os itens armazenados na nave antiga devem ser transportados para a nova e, caso não haja espaço suficiente, podem haver perdas.

Tanto as naves quanto as multiferramentas vão melhorando gradualmente à medida em que se encontram as novas, aumentando o espaço de armazenamento (slots) e, em alguns casos, as tecnologias já instaladas.

Existem ainda melhorias de traje espalhadas pelos planetas, entretanto, para obtê-las é preciso pagar. O preço delas aumenta a medida em que o traje melhora e, caso o jogador pague, o inventário dele será expandido. Diferente dos outros dois casos, as tecnologias e os itens do traje permanecem intactos ao melhorá-lo.

É importante ressaltar que a expansão dos inventários é fundamental, visto que cada tecnologia instalada ocupa um slot, seja na multiferramenta, na nave ou no traje.

Dica: Instale tecnologias similares ao lado umas das outras para ganhar um bônus.
275850_20170118201328_1

Note as cores dos itens alinhados

Comércio

Em algumas estações é possível interagir com uma espécie de computador que dá acesso à rede de comércio local. Ao acessá-lo, é possível comprar e vender itens. Os itens encontrados para compra variam de cada local, bem como seus preços. Isso possibilita lucrar com compra e venda de mercadorias.

Visitar estações

Note que diversas vezes disse que há estações nos planetas. Há vários tipos delas e em cada uma pode-se encontrar algo peculiar, porém, em todas elas o jogador estará a salvo das condições climáticas do planeta, e ainda, a proteção do traje será recuperada enquanto o jogador estiver la dentro.

Abrigo – Um par de cômodos. Alem de servir de proteção, em um deles sempre haverá uma tecnologia a ser obtida.

Silo – Como o nome sugere, é um local de armazenamento onde pode-se obter grande quantidade de um único componente químico. Mas para isso é preciso destruí-lo, o que atrairá os sentinelas.

Torre de transmissão – Alem de (sempre?) haver uma forma de vida para interagir, há um console com um simples quebra-cabeça numérico. Se o jogador for capaz de encontrar a resposta correta, ganhará a localização de uma nave caída.

Observatório – Estação similar à torre de transmissão, porém, indica a localização de ruínas. Nestas ruínas é possível aprender palavras do idioma local, e também interagir com monólitos. Nestes o jogador deverá fazer uma escolha, e dependendo da resposta poderá ganhar prêmios ou perjúrios.

Posto avançado – Esta é basicamente a estação citada quando falei em comércio, nela haverá um forma de vida e um terminal para acessar o mercado local.

Base – Com a nova atualização (Fundação), é possível que o jogador construa sua própria base. Ainda não pude jogar mas, segundo o site oficial, além de criar e customizar ela, pode-se contratar NPC’s alienígenas para pesquisar novas tecnologias, adicionar recipientes para armazenamento de itens, criar fazendas para produção de recursos, e ainda um portal de teleporte que permite voltar para a base sempre que desejar.

20160825010048_1

Estação comercial em um dia chuvoso

Ao infinito e além

Bem, acho que depois disso tudo já deu tempo de coletar os recursos necessários para consertar a nave. Hora de voar.

A nave

Em No Man’s Sky, a nave é a maior (e única) companheira do jogador. Alem de ser usada para viajar ao redor do planeta  e pelo espaço, ela também pode ser útil de outras formas:

Abrigo – O jogador poderá sempre entrar na nave para se proteger das condições climáticas do planeta e também de inimigos, como animais carnívoros ou sentinelas. Enquanto esta lá dentro, o nível de proteção do traje será restaurado de maneira similar ao de quando entrar em estações.

Inventário – O inventário da nave possui capacidade de armazenamento muito superior ao do traje e pode ser acessado à distancia pelo jogador, desde que não exista algo entre os dois.

Para poder voar, tendo consertado os equipamentos básicos da nave, será necessário carregar o impulsionador de decolagem e o mecanismo de pulso com elementos do tipo isótopo.

Assim como o traje, a nave também possui um equipamento de proteção, que é o escudo defletor, este deverá ser carregado com elementos óxidos.

Com a atualização de fundação, nos foi dada a chance de possuir naves cargueiras que podem ser chamadas a qualquer momento e em qualquer local da galáxia. Estas naves gigantes funcionam de forma similar às bases pessoais, incluindo a possibilidade de ter uma tripulação e uma fazenda.

20160822222356_1

Escombros de uma nave caída

O espaço

Ao contrário do que se pode imaginar, os sistemas solares são bem movimentados. Há diversas naves de mercadores e exploradores transitando, conjuntos de naves cargueiras e, é claro, piratas.

Em cada sistema há sempre uma estação espacial. Ao entrar em uma, o jogador estará em um enorme hangar com diversas plataformas de pouso para naves de outros exploradores (NPC’s), assim, é possível interagir com cada um deles para comprar e vender itens, ou até comprar a nave da entidade. Ao adquirir a nave de um alienígena será também possível transferir os itens do inventário, entretanto, o jogador perderá a nave antiga de forma similar a quando se encontra naves caídas nos planetas.

Além do hangar há um prédio a ser explorado. La dentro há (sempre?) uma forma de vida para interagir e um terminal de comércio. Existem também algumas portas lacradas que podem ser abertas caso o jogador possua um chip chamado Passe do Atlas. Este é obtido durante a jornada proposta pelo Atlas no começo do jogo.

A quantidade de planetas em cada sistema é variável e alem de planetas pode-se também explorar as luas, porém, a diferença em relação a elas é apenas o tamanho. Os biomas também variam, indo de planícies devastadas à paisagens belíssimas.

Próximo aos planetas existem conjuntos de asteroides que podem ser destruídos (minerados) para obter diversos recursos. A maioria deles são formados pelo elemento isótopo Tamio9, que serve principalmente para abastecer o mecanismo de pulso.

Para viajar de um sistema a outro é necessário possuir ao menos um hiperpropulsor instalado na nave, tal equipamento deve ser carregado com células de dobra, que podem ser adquiridas como recompensa ou construídas pelo próprio jogador. A distância máxima possível em cada viagem varia de acordo com o nível da tecnologia instalada.

Dica: Saia da atmosfera para chegar mais rápido aos pontos de referência.
20160824005940_1

Protegendo um cargueiro contra piratas

O drama existencial

Após tanto texto, voltemos ao começo.

O drama sobre No Man’s Sky é que quando foi anunciado e durante sua campanha, nos foi apresentado um jogo ainda mais incrível do que é hoje. Muitas características demonstradas e citadas em vídeos, entrevistas, conferências e reportagens, acabaram não estando presentes no lançamento do jogo.

Isso gerou um desconforto e descontentamento muito grande na comunidade de jogadores que acompanharam o desenvolvimento do jogo. Muitas pessoas se sentiram lesadas por acabar adquirindo um produto diferente do que foi apresentado, além disso, o lançamento foi repleto de problemas técnicos que variavam de pequenas falhas a bugs que impediam os jogadores de desfrutar do jogo.

E ai quem pode culpá-los, não é mesmo? Apesar de os motivos da Hello Games em lançar seu produto dessa forma serem desconhecidos, a empresa falhou em anunciar muito conteúdo e entregar algo diferente (para pior) do que foi demonstrado.

Em contrapartida, tanto a Steam quanto a Sony aceitaram reembolsos por No Man’s Sky mesmo após 50 horas de jogo (fonte). Dito isso, não da para entender como alguém pode jogar por tanto tempo, receber o dinheiro de volta, e ainda sair por ai difamando o jogo. Difamar a empresa pode até ser justo (rs).

Explico…

Como é notável, achei melhor escrever sobre o jogo antes de comentar a respeito dos problemas de seu lançamento porque dessa forma podemos avaliar No Man’s Sky pelo que ele é e não pelo que foi anunciado.

Se você leu o que escrevi anteriormente, notará que o conteúdo oferecido no lançamento pode render dezenas de horas de diversão, com a atualização de fundação ainda mais.

O que quero dizer é que eu entendo, o produto vendido não é exatamente o que anunciaram, não é bem o que esperávamos, houveram problemas técnicos e tudo mais, mas os bugs foram corrigidos, melhorias vieram e os problemas do lançamento não fazem com que o jogo seja ruim. Não é justo criticar o que o jogo é em vista do que ele nunca foi. Ou seja, o problema não é o jogo,  é a empresa e seu marketing duvidável.

O fim da jornada

Aos heróis e heroínas que me acompanharam ao longo dessa jornada textual, prolongarei um pouco mais para deixar aqui a minha opinião sobre essa obra.

Como não viajei no trem da hype, fiz questão de me afastar de toda especulação e demonstração, pude aproveitar muito o produto que foi entregue no lançamento. Mesmo com um problema muito incomodo onde o aplicativo fechava sozinho após um tempo, consegui acumular 65 horas de jogo na semana inicial e não me arrependo nenhum pouco.

A meu ver, este não é um jogo para qualquer um. Embora seja em primeira pessoa, não é um FPS onde o jogador poderá entrar nos planetas e combater criaturas bizarras.

No Man’s Sky é um excelente jogo futurista com foco em exploração, sobrevivência e comércio, com uma atmosfera calma e acolhedora, uma trilha sonora de dar gosto e visual impressionante.

E por falar em trilha sonora, quase me esqueci… não comentei a respeito mas vou deixar que confiram por conta própria:

Até a próxima!